Como usar a intuição para fazer uma lista de resoluções para 2019

Todas as nossas resoluções têm uma característica em comum, e que é impossível de ignorar: mudanças são difíceis.

Quando o fim de ano chega, a maioria de nós faz uma lista de resoluções para o ano novo. Conforme os meses vão passando, nossa força de vontade vai perdendo força, tornando cada vez mais difícil seguir em frente com as resoluções. Resultado? Desistimos. E logo começam as autocríticas. Depois vem aquele sentimento de culpa por não conseguirmos concretizar nossos planos - desde sair de um emprego sem perspectiva até realizar todos aqueles projetos que temos adiado desde sempre. Na prática, todas as nossas resoluções têm uma característica em comum, e que é impossível de ignorar: mudanças são difíceis.

Será que você precisa de mudança?

A questão é: será que as mudanças que queremos para o ano novo realmente estão em sintonia com o momento em que estamos vivendo? A regra é: antes de sentar para fazer sua lista de resoluções, seja gentil com você mesma. Lembre-se de que o calendário não é uma boa razão para que você comece uma transformação. Para mudar, é preciso estar pronta para correr riscos. E a única forma de se saber se esse é o momento certo para cada mudança, é acessando sua inteligência intuitiva.

Antes de decidir fazer qualquer resolução de ano novo, que tal separar um tempo para tentar entender a motivação por trás deste desejo de mudança? Será que ele está vindo de você mesma, ou é algo para atender a expectativa de outras pessoas?

Transforme resoluções em questões

Se você está decidida a promover algumas mudanças em 2019, que tal tentar uma abordagem diferente? Em vez de fazer uma lista de afirmações, o que você acha de fazer algumas perguntas a si mesma e respondê-las? Por exemplo, em vez de afirmar que você vai se exercitar todos os dias, pergunte-se: "Como eu poderia incluir mais atividades físicas no meu dia?". Ou, em vez dizer que você vai começar um novo negócio, questione-se: "O que eu preciso para começar um novo negócio?".

Perguntas são como um quebra-cabeças, que estimulam nosso corpo, mente e coração na busca por respostas. Quando fazemos uma pergunta, trabalhamos a nossa inteligência intuitiva e a nossa curiosidade. O resultado disso é que o nosso cérebro fica inquieto até conseguirmos uma resposta que nos satisfaça.

Quando for fazer sua lista de resoluções, deixe sua autocrítica de lado, pare de pensar no jeito "certo" ou no que você "deveria" estar fazendo, e faça perguntas que vão estimular a sua intuição. Comece com "como seria se", "o que eu preciso/quero para... " ou ainda "como eu poderia…”. Fazer perguntas sobre coisas que são possíveis de se colocar em prática podem mudar o jeito que você pensa e servir de estímulo para grandes mudanças .

Resoluções são opcionais

Lembre-se: o mais importante é que resoluções de ano novo são completamente opcionais. Não quer fazer resoluções para o próximo ano? Está tudo bem! Por mais que muitas pessoas sintam que é uma obrigação tentar fazer mudanças só porque o calendário está trocando 2018 por 2019, essa decisão é muito pessoal e só você mesma pode fazê-la.

Antes de considerar a possibilidade, reflita se realmente é algo que você quer, deve ou precisa fazer. E se você sentir que sim, lembre-se da primeira regra: trate-se com todo carinho e respeito que você merece.

E se você é muito perfeccionista, lembre-se de não se pressionar demais na hora de estabelecer e cumprir as metas de ano novo. Siga o seu coração para encontrar equilíbrio e não perder a motivação. E feliz ano novo!

Leia Também

Venha apoiar uma às outras:

Junte-se às mulheres que fazem acontecer

Produtos com o ativo